Grupo de Dança Escolar

Objetivo:

Incentivar os alunos a participarem deste projeto que visa a socialização e o desenvolvimento da criatividade através da dança.

Justificativa:

Envolver os alunos na pesquisa sobre os estilos de danças existentes, ensinando e desafiando o grupo a criar novas coreografias para dançar as músicas escolhidas em aula.

Desenvolvimento:

Este projeto ocorre no turno de aula, durante o recreio, duas vezes por semana. As crianças escolhem músicas conforme o seu interesse e criam, juntamente com a professora, a coreografia.

Considerações importantes sobre a Educação Física

 

Conforme os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNS), a Educação Física hoje contempla múltiplos conhecimentos produzidos e usufruídos pela sociedade a respeito do corpo e do movimento. Entre eles, são considerados fundamentais as atividades culturais de movimento com finalidades de lazer, expressão de sentimentos, afetos e emoções, e com possibilidades de promoção, recuperação e manutenção da saúde.

Trata-se, então, de localizar em cada uma dessas manifestações (jogo, esporte, dança, ginástica e luta) seus benefícios fisiológicos e psicológicos e suas possibilidades de utilização como instrumentos de comunicação, expressão, lazer e cultura. Formular, a partir daí, as propostas para a Educação Física escolar.

Os conhecimentos sobre o corpo, seu processo de crescimento e desenvolvimento, que são construídos concomitantemente com o desenvolvimento de práticas corporais, ao mesmo tempo que dão subsídios para o cultivo de bons hábitos de alimentação, higiene e atividade corporal, bem como para o desenvolvimento das potencialidades corporais do indivíduo, permitem compreendê-los como direitos humanos fundamentais.

Embora na aula de Educação Física os aspectos corporais sejam mais evidentes, mais facilmente observáveis e a aprendizagem esteja vinculada à experiência prática, o aluno precisa ser considerado como um todo no qual aspectos cognitivos, afetivos e corporais estão inter-relacionados em todas as situações.

Não basta a repetição de gestos estereotipados , com vistas a automatizá-los e reproduzi-los. É necessário que o aluno se aproprie do processo de construção de conhecimentos relativos ao corpo e ao movimento e construa uma possibilidade autônoma de utilização de seu potencial gestual.

O processo de ensino e aprendizagem em Educação Física, portanto, não se restringe aos simples exercício de certas habilidades e destrezas, mas sim de capacitar o indivíduo a refletir sobre as suas possibilidades corporais e, com autonomia, exercê-las de maneira social e culturalmente significativa e adequada.

 

ATIVIDADES RÍTMICAS E EXPRESSIVAS

 

A diversidade cultural que caracteriza o país tem na dança uma de suas expressões mais significativas, constituindo um amplo leque de possibilidades de aprendizagem.

Todas as culturas têm um tipo de manifestação rítmica e/ou expressiva. No Brasil existe uma riqueza muito grande destas manifestações.

As danças foram e são criadas a todo tempo: inúmeras influências são incorporadas e as danças transformam-se, multiplicam-se. Algumas preservam suas características iniciais.

Nas cidades existem danças como o funk, o rap, o hip-rop, as danças de salão, entre outras, que se caracterizam por acontecerem em festas, clubes, praças ou ruas. Existem também as danças eruditas como a clássica, a contemporânea, a moderna, o jazz, que podem ser apreciadas na televisão, em apresentações no teatro e são geralmente ensinadas nas escolas e academias.

Por meio das danças e brincadeiras os alunos poderão conhecer as qualidades do movimento expressivo como leve/pesado, forte/fraco, rápido/lento, fluido/interrompido, intensidade, duração, direção, sendo capaz de analisá-los a partir destes referenciais; conhecer algumas técnicas de execução de movimentos e utilizar-se delas; ser capaz de improvisar, de construir coreografias, e, por fim, de adotar atitudes de valorização e apreciação dessas manifestações expressivas.

A lista a seguir é uma sugestão de danças e outras atividades rítmicas e/ou expressivas que podem ser abordadas e deverão ser adaptadas a cada contexto:

A diversidade de competências corporais a serem consideradas inclui a facilidade e a dificuldade para lidar com situações estratégicas, de simulação, de cooperação, de competição, entre outras.

O trabalho em duplas e grupos, em que a cooperação seja fundamental e haja coordenação de diferentes competências, é algo valioso para se perceber que todos, sem exceção, têm algum tipo de conhecimento.